Valores

DSC_0035 copia 2

Tendo como matriz a doutrina social da Igreja e a filosofia personalista, fomentamos a criatividade, a espontaneidade e o espírito voluntário e solidário. Defendemos, em todo o discurso e prática, a dignidade da pessoa humana e ambicionamos despertar em cada ser humano a consciência de si enquanto pessoa única, original, irrepetível, livre, consciente e responsável e transformar essa consciência em capacidades e competências que a potenciem e promovam enquanto ser humano em todas as suas dimensões.

Consideramos os conceitos de Humanização, Bem Comum e Subsidiariedade a meta para este projecto, conscientes da importância do conhecimento e do aprofundamento dos talentos como factores fundamentais de desenvolvimento e progresso das pessoas, das instituições e das comunidades.

Se temos uma visão positiva e alegre da evangelização, somos também muito conscientes que, na nossa sociedade contemporânea, somos convocados a travar um combate espiritual, primeiro no nosso coração, lutando contra as forças negativas do egoísmo, que é o grande obstáculo da humanização. Mas também nos opomos claramente a tudo o que destrói ou obscurece a dignidade humana, como as ideologias profundamente desumanas e inimigas da liberdade que impedem o exercício do livre arbítrio e, portanto, obstroem a emergência da Humanidade em expressões novas. Estão entre essas ideologias o marxismo, sobretudo o marxismo cultural, o individualismo, o relativismo cultural, o ateísmo e o materialismo.

Sabemos que o conhecimento, a reflexão, a informação, a formação das consciências, a vivência da fé na oração e na caridade são antídotos excelentes para libertar as pessoas da solidão, da escravatura dos vícios, do vazio materialista e ajudam-nas a caminhar à luz da fé, a viver em paz, alegria e esperança como filhos de Deus e a encontrar o sentido da vida, a felicidade e a salvação eterna prometida por Jesus que é o Caminho, a Verdade e a Vida.